quarta-feira, 21 de julho de 2010

- ainda te dizer;

Quer saber o que penso? Depois de todo este tempo sou ainda eu. E como ontem, como agora, é de madrugada que me inspiro e encontro as palavras.
E eu te digo que esta paixão acabou, que não preciso de mil pessoas, que cada vez que me acordo não tenho claro o que quero. Já faz um tempo que penso em você.
Queria saber de verdade como você está e te dizer todas aquelas coisas que não diria nunca. São pessoas, frases, dias, meses e histórias. São pensamentos que caem como quando chove lá fora. E não me olhe assim.
Será que talvez já nos dissemos tudo? Será que até agora já falamos demais?
E talvez reencontrar-se uma outra vez para saber como estamos, se mais perto ou mais longe. Mas ainda estar aqui fazendo de conta que é tudo é igual. Me diz se você consegue ainda achar um sentido, se é só uma outra vez uma tristeza ou um modo para te sentir do lado e reviver a magia.

São os mesmos lugares, mesmos olhares escondido no silencio de um detalhe, de uma recordação.
Quero deixar-te e depois deixar-me ir. Quero que cada encontro nosso seja aquele para recomeçar.
E agora bastaria pelo menos meia hora para apagar todo esse meu medo, como cada palavra sozinha, como cada porção pequena que te levava embora esta noite.
Não me olhe assim. E talvez amanhã não terei mais estes pensamentos.
(Non guardarmi così - Zero Assoluto)

Um comentário:

Juliana. disse...

Nas madrugadas também revejo o que sinto e pela manhã já não me lembro..é assim, mais seja melhor pq a vida não pode ser apenas sentido, mais tb surpresas e novas ações!
Um beijo Jú