segunda-feira, 29 de outubro de 2012

- eu escolhi;


Eu escolhi ser curiosa. 
Eu escolhi fazer o que gosto.
Eu escolhi contar a verdade. 
Eu escolhi dizer o que sinto.
Eu escolhi me expressar
Eu escolhi me arriscar.
Eu escolhi falar o que penso
Eu escolhi me importar.
Eu escolhi não ter limites
Eu escolhi olhar nos olhos.
Eu escolhi COMPARTILHAR
Eu escolhi viver intensamente.

Eu escolhi ser metade amor
E a outra metade liberdade.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

- e ninguém vê;

c.f.a.

Não queria, desde o começo eu não quis.
Desde que senti que ia cair e me quebrar inteiro na queda para depois restar incompleto, destruído talvez, as mãos desertas, o corpo lasso.
Fugi.
Eu não buscaria porque conhecia a queda, porque já caíra muitas vezes, e em cada vez restara mais morto, mais indefinido -e seria preciso reestruturar verdades, seria preciso ir construindo tudo aos poucos, eu temia que meus instrumentos se revelassem precários, e que nada eu pudesse fazer além de ceder.
Mas no meio da fuga, você aconteceu. Foi você, não eu, quem buscou.
Mas o dilaceramento foi só meu, como só meu foi o desespero.
Que espécie de coisa o cigarro queimou, além dos cabelos? Sei que foi mais fundo, mais dentro, que nessa ignorada dimensão rompeu alguma coisa que estava em marcha.
Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. 
Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. 
A noite ultrapassou a si mesma, encontrou a madrugada, se desfez em manhã, em dia claro, em tarde verde, em anoitecer e em noite outra vez.
Fiquei. 
Você sabe que eu fiquei. E que ficaria até o fim, até o fundo. 
Que aceitei a queda, que aceitei a morte.
Que nessa aceitação, caí.
Que nessa queda, morri.
Tenho me carregado tão perdido e pesado pelos dias afora.
E ninguém vê que estou morto.
(Inventário do ir-remediável - Caio Fernando Abreu)



quinta-feira, 25 de outubro de 2012

- rir;




Quando rimos nos liberamos, estamos nudos, descobertos. 
Quando uma pessoa ri, você vê um pouco da sua alma. 
E outra, quando rimos, a gente se mexe, se balança como uma arvore deixando cair à terra coisas que os outros podem ver e talvez colher. 
Os gananciosos e os que não tem nada para oferecer na verdade não riem. 
R. Benigni

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

- no amor;



quem disse que no amor ganha quem foge, certeza que não estava apaixonado de verdade.
você acha mesmo que eu vou embora te amando? se eu te amo, eu fico.
fico independente das lagrimas, dos momentos de mau humor, das brigas e todas essas coisas. e sabe o por quê?  porque se eu te amo eu te dou a mão e não te largo nunca mais. nunquinha. 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

- o melhor primeiro encontro com um beijo não dado;

01/06/11.
Uma quarta-feira quente na Itália, véspera de um feriado: festa da republica italiana.
Tìpica noite quente de junho e quatro amigos brasileiros resolvem sair à caça de uma baladinha.
Modena não é a cidade mais badalada e quarta-feira sem duvida é o pior dia para sair, afinal o Frozen que é a única boate decente não abre.
Depois de horas rodando a cidade decidem parar no Baluardo della Cittadella, uma boate de velho ou de crianças, depende do dia da semana. Já que todo azar é pouco, naquela quarta-feira era Festa Jazz, ou seja, de velho. Decepcionados os quatros amigos voltam pro carro e continuam rodando a cidade em busca de alguma diversão  e de repente na radio um anúncio de uma festa que mudaria completamente a vida de um desses quatro amigos: a minha.
"Festa pré-feriado no frozen!" 
O Frozen é uma boate muito estranha. E muito louca. Quando faz frio e neva tá lotada, quando faz calor tá lotada. A parte boa? Entrada grátis. Segunda e quinta tem Noite Latina, terça e sexta Noite Gay e sábado e domingo festas especiais.
Esta quarta-feira tinha tudo para ser um noitada especial. Tão especial que até o Frozen estava aberto!
A boate como sempre estava lotadíssima. Lotadíssima de gente feia. Não que eu procurasse alguém  mas ver gente bonita faz bem para os olhos.
Lá pela uma da manhã eu e um amigo resolvemos dançar em cima de um banco porque estava sufocantemente lotada a pista. E então meu amigo decidiu achar um "homem" para mim e me disse: olha aquele cara que está entrando, aquele é homem e é "bom", amiga pode confiar! Foi aí que vi entrar um homem lindo, mas tão lindo que eu nem escutava mais a musica, nem ouvia mais a agitação e nem via mais as pessoas em torno. ele era alto, olhos verdes, boca perfeita. Uhn, muito perfeito. Certeza que não é hetero. Continuei dançando e o perdi de vista.
Minutos depois vejo ele na minha frente e pior, falando com meus amigos. Ele vem e se apresenta, se chama Domenico. Pensei: Haha que tosco, menos mal que é italiano porque se fosse brasileiro se chamaria Domingos. Então ele todo tímido sugeriu que fossemos dar uma volta para conversar melhor, afinal a pista não era o melhor lugar.
Fomos para o jardim e eu hipnotizada naquela boca. E ele que falava, falava e falava. Contou que trabalhava  como Chef em um restaurante, que era do sul da Itália, que falava polonês e alemão e que queria aprender umas palavras em português. E eu pensando onde estava o defeito desse cara, porque não é normal, né...
Conversa vai, conversa vem, pergunto a sua idade. 22. Como? 22 anos? Talvez eu tenha entendido mal. Mas não, não entendi mal. Ele realmente tem somente 22 anos. Que decepção a vida...
Horas se passam e a gente continuam conversando. Mas como ele pode ser tão maduro e ter somente 22 anos? E ele me dá uma rosa de presente... Somente 22 anos e é assim romântico...
Como todo primeiro encontro a gente espera um beijo né? Mas este foi o primeiro encontro com um beijo não dado. Somente trocamos telefones e nos despedimos.
E antes de dormirmos naquela noite (já manhã) trocamos um "buonanotte" e sonhamos com o melhor beijo não dado.


A partir deste dia a cada encontro, ele me dava uma rosa e ao fim do primeiro mês se declarou com 30 rosas me pedindo em namoro e dizendo:  "eu te garanto que passaremos por dificuldades, te garanto que um dia um de nós, ou os dois vai querer pular fora, mas tenho certeza que se eu não te pedir pra ser minha para sempre eu vou me arrepender pelo resto da minha vida."


Hoje, um ano e quatro meses depois deste encontro, vejo quanta coisa aconteceu em tão pouco tempo.
Poucas semanas depois desse encontro a gente estaria morando juntos. Poucos meses depois eu estaria fazendo parte da família dele e ele da minha. Pouco depois de um ano eu seria pedida em casamento. E daqui alguns meses seremos marido e mulher. 

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

- ar de importância. diploma de ignorância;


existem pessoas que ainda que acham que ter um diploma universitário faz de si uma pessoa importante.
e eu te digo que os maiores exemplos de vencedores que TENHO na vida não tinham diploma universitário.
ter um diploma não faz de você uma pessoa melhor porque no fim não existe diploma para a vida.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

- até quando?



não adianta olhar pro céu com muita fé e pouca luta, levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve, você pode, você deve, pode crer.
não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver.
se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu não quer dizer que você tenha que sofrer!
até quando você vai ficar usando rédea?! rindo da própria tragédia.
até quando você vai ficar usando rédea?! pobre, rico ou classe média.
até quando você vai levar cascudo mudo? muda, muda essa postura.
até quando você vai ficando mudo? muda que o medo é um modo de fazer censura

até quando você vai levando? porrada! até quando vai ficar sem fazer nada?
até quando você vai levando? porrada! até quando vai ser saco de pancada?

você tenta ser feliz, não vê que é deprimente. o seu filho sem escola, seu velho tá sem dente, cê tenta ser contente e não vê que é revoltante.
você tá sem emprego e a sua filha tá gestante, você se faz de surdo, não vê que é absurdo.
você que é inocente foi preso em flagrante!

a polícia matou o estudante, falou que era bandido, chamou de traficante!
a justiça prendeu o pé-rapado, soltou o deputado e absolveu os PMs de Vigário!
a polícia só existe pra manter você na lei. lei do silêncio, lei do mais fraco.
ou aceita ser um saco de pancada ou vai pro saco.
a programação existe pra manter você na frente na frente da tv, que é pra te entreter que é pra você não ver que o programado é você!
acordo, não tenho trabalho, procuro trabalho, quero trabalhar. o cara me pede o diploma, não tenho diploma, não pude estudar e querem que eu seja educado, que eu ande arrumado, que eu saiba falar.
aquilo que o mundo me pede não é o que o mundo me dá. consigo um emprego, começa o emprego, me mato de tanto ralar, acordo bem cedo, não tenho sossego nem tempo pra raciocinar.
não peço arrego, mas onde que eu chego se eu fico no mesmo lugar?
brinquedo que o filho me pede, não tenho dinheiro pra dar!

escola! esmola! favela, cadeia! sem terra, enterra! sem renda, se renda! não!

muda que quando a gente muda o mundo muda com a gente.
a gente muda o mundo na mudança da mente e quando a mente muda a gente anda pra frente.
e quando a gente manda, ninguém manda na gente!

na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura.
na mudança de postura a gente fica mais seguro, na mudança do presente a gente molda o futuro!

até quando você vai ficar levando porrada, até quando vai ficar sem fazer nada?
(Gabriel o Pensador)

domingo, 14 de outubro de 2012

- muito menos forte;

Still flying,

não sou sempre uma pessoa brava e muito menos forte.
não sou forte quando me fecho nos meus silêncios e te deixo de fora.
não sou forte quando fecho os olhos e abaixo a cabeça.
não sou forte quando não tenho coragem de me deixar ser abraçada.
não sou forte nem menos quando não te olho para que você não entenda como eu me sinto, muito menos quando finjo que está tudo bem e não encontro a força de chorar.
sabe, é preciso muita força e coragem para se mostrar frágil e não ter medo.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

- dizem:



dizem que se aprende a amar não quando se encontra a "pessoa perfeita", mas sim quando se aprende a acreditar na perfeição de uma pessoa imperfeita.
dizem que no amor não existem seguranças, que nunca teremos a certeza de que aquilo que sentimos é realmente reciproco ou realmente vai durar para sempre. porque o amor é isso: uma aposta. temos que entrar no jogo esperando que o tempo nos dê respostas.
dizem que nós não perdemos e não encontramos as pessoas, simplesmente algumas pessoas fazem uma parte do caminho com nós e outras, o caminho de uma vida.
e eu digo: amor é acordar a cada manhã e poder te ver ao meu lado e te dizer que te amo. hoje. amanhã também  e sempre.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

- reclamar é mais fácil que agir;

Análise experimental do cpt.


sabe, vejo as pessoas reclamando que agora se usam os social network para fazer tudo: que não existe mais vida social, demonstração de carinho, cartas escritas à mão, etc. 
mas na verdade essas pessoas não entenderam que ainda é possível escrever uma carta e que ainda existe correio. ah, os olhares existem ainda, os abraços, os beijos, as carícias  
é inútil que essas pessoas reclamem porque a verdade é que elas precisam se dar conta que elas não estão afim de pegar um pedaço de carta e uma caneta e escrever, ou de pegar o carro e sair. simples. 
não é culpa de um social network que não se escrevem mais cartas ou que as pessoas não se abraçam. 
é simplesmente culpa de vocês que não têm vontade! 

sábado, 6 de outubro de 2012

- perdoada;


você sabe como nós, meninas católicas, podemos ser. 
nós tentamos recuperar o tempo perdido por muito tempo porém um pouco tarde demais.
eu nunca me esqueci o quanto era confuso não existia diversão sem sentimento de culpa.
os pecadores, os santos, os padres sem amor, "te vejo domingo que vem!".
eu cantava "aleluia" no coral. 
eu confessei meus pecados mais sombrios para um homem invejoso.
meu "irmãos" nunca se sentiram "cegos" por aquilo que faziam, mas eu não tive razão para fazer o mesmo.
em nome do pai, dos céticos e do filho. e eu tive mais uma pergunta idiota.
o que eu aprendi eu rejeitei, mas se eu acreditar nisso novamente vou sofrer as consequências desta inquisição? e se eu pular nesta fonte, eu serei perdoada?
todos nós tivemos nossas razões para estar lá, todos nós tínhamos uma ou duas coisas para aprender.
todos nós precisávamos de algo para nos apegar e foi isso que fizemos.
todos nós fomos iludidos, todos nós tivemos decisões tomadas para nós.
todos nós tínhamos que acreditar em algo, portanto nós  acreditamos.
(alanis - forgiven)


e com essa história de casamento, veio também a famosa paradinha de "casar na igreja".
já perdi as contas de quantas pessoas ficaram chocadas ao descobrir que não fiz a crisma.
e por que eu deveria ter feito? ah claro, pelos presentes que te dão. ou simplesmente porque é uma tradição  você pode ser a pessoa mais filha da puta do mundo, mas sendo batizada e crismada vai para o céu. certo?
prefiro rezar e ter fé num deus que está dentro de mim, e não em um deus punidor e controlador que vive dentro de uma instituição que dita como você deve se vestir, se comportar e com quem se relacionar, sendo que fora desta instituição você se comporta de modo extremamente oposto e depois se sente na obrigação de orar e rezar muito para aplacar seu sentimento de culpa por ser simplesmente um ser humano.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

- migalhas;


Sem título

este é um dia para viver, já que não dá descrever. 
de um amor impossível restam somente as migalhas, somente desculpas insustentáveis. 
e ha um tempo atrás você estava comigo. 
não existe mais nada que me ligue a você. sinto um vazio devastador
 dentro que me faz entender que 
é um novo dia sem você.

essa dor de viver que não me deixa decidir. das noites românticas, a lembrança me faz chorar. embora eu tentarei te enganar com esta nova imensidão que existe.
não existe mais nada que me ligue a você. é um grande vazio dentro d'alma.
me fale um pouco de que cor é um outro dia sem você. sempre aquele ama mais é forçado a sofrer.
e te juro que eu voltarei a voar bem alto assim que eu estiver mais lúcida, quando eu não estiver mais apaixonada por você.
não existe mais nada que me ligue a você. mas não é fácil se defender e ainda estou muito frágil neste jogo sem você. 





quinta-feira, 4 de outubro de 2012

- por toda a vida;



por toda a vida, ir adiante, procurar os teus olhos nos olhos dos outros, fazer de conta que não é nada, fazer de conta que hoje é um dia normal.
um ano que passa, um ano de crescimento. que sensação de vazio, que mágoa dolorosa. mágoa de você, de mim, daquilo que não te dei.
por toda a vida procurar um ponto de apoio. o outono que passa, e talvez eu esteja melhor.
se encontrar por acaso num bar do centro e se sentir especial, mas o amor é distraído, o amor é confuso.
não fique nervoso, mas eu não te perdoo. decepcionada com você, comigo e com aquilo que não meu deu... nunca.

as mesmas desculpas, as mesmas historias, mentiras, esperanças e às vezes o amor.
me olho no espelho, me acho diferente, me acho melhor.
um ano que passa, um ano de crescimento. que sensação de vazio, que mágoa dolorosa. mágoa de você, de mim, daquilo que não existiu...nunca.

(per tutta la vita - noemi)


terça-feira, 2 de outubro de 2012

- 16;




I won't give up on us. 
Even if the skies get rough. 
I'm giving you all my love.