quinta-feira, 28 de julho de 2011

- io e te così diversi.

Eppure mi piaci così come sei. Non mi importa quello che pensano gli altri perchè nessuno ci conosce per come siamo veramente. Sì, lo so, sei strano. Ma chi se ne frega? Anche io lo sono un pò ed è per questo che ti adoro. Mi piaci perché sei sincero e non hai paura di dire sempre quello che pensi, anche se non siamo d’accordo. Mi piaci perché mi fai ridere. E poi quando ti arrabbi e non mi dici più niente ed io divento pazza cercando di capire che ti ho fatto e ti riempo di baci finchè la rabbia è passata. Sei insopportabile, lo sappiamo bene, e lo sei ancora di più quando io parlo e tu non mi ascolti oppure fai finta di non essere d’accordo apposta per farmi innervosire. A volte con successo direi. Mi piaci quando mi fai complimenti (anche se li rifiuto perchè non li merito). Mi piace quando siamo a letto a guardarci e all’improviso scoppiamo a ridere. Mi piace quando ci svegliamo durante la notte e ci guardiamo nel buoi e diciamo “amo você”. Mi piaci perché sei speciale. Perché sei unico. Fortunatamente. Forse un giorno riuscirò a ringraziarti per tutto quello che hai fatto e fai nella mia vita. Riuscirò a farti capire quanto sai essere semplicemente straordinario con tutto quello che sei. E magari saprò dirti quanto sei importante per me.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

- o peso da mala;


você fez toda essa estrada para chegar até aqui.
e dependia só de você partir, menina, com uma malinha de papelão que aos poucos você começou a encher de coisas.
duas folhas de recordações que já não existiam mais, batons falsos e uma caixinha de jóias e assim a mala começou a pesar, mas ainda assim você tinha que partir.
e os olhos tomaram a cor do céu pela fé que você teve ao olhar pra ele.
e com aqueles olhos, aquilo que você via, ninguém poderá saber.
sol e chuva, neve e tempestade em cima da mala e dos seus cabelos.
as pernas para andar e a boca pra beijar.
você fez toda essa estrada para chegar até aqui e a cada parada tinha sempre alguém e quase sempre você tentava falar, mas ninguém te escutava.
e você se doou, recebeu alguma coisa, quem sabe...
mas as palavras que você disse em excesso foram parar dentro da sua mala e alí ficaram.
e suas pernas caminhavam sempre, só que a cada dia mais lentamente e seus braços mal sustentavam o peso da mala.
sol e chuva, neve e tempestade em cima da mala e dos seus cabelos.
as pernas para andar e a boca pra beijar.
sol e chuva, neve e tempestade de tudo que você viveu, nos seus cabelos.
braços para aguentar o tranco e quadris para dançar.
você fez toda essa estrada para chegar até aqui e agora sim você pode descansar.
um banho quente, alguma coisa fresca pra beber e algo pra comer.
e eu abro a mala pra você enquanto você descansa e aos poucos te mostro que alí dentro tinham apenas quatro borboletas difíceis de morrer.
(Il peso della valigia - Ligabue)


e significa muito pra mim.
o que meus olhos viram e o que meus ouvidos ouviram ninguém nunca poderá saber. :)

sábado, 23 de julho de 2011

- not enough for me;

Forever can never be long enough for me feel like I've had long enough with you.
Together can never be close enough for me feel like I am close enough to you.


sexta-feira, 22 de julho de 2011

- tu cosa trovi difficile?

Vuoi sapere cos'è difficile, per me?
Svegliarmi, le ultime tracce dei sogni a volte sono massacranti.
Addormentarmi
, i pensieri mi portano via il sonno.
Stare ferma a guardare, il destino vorrà anche farci aspettare ma odio sentirmi bloccata dietro uno specchio e non essere vista.

Concentrarmi
, la mente vola verso orizzonti lontani ogni secondo.
Far cicatrizzare le ferite
, si riaprono sempre nei momenti meno opportuni.
Capire
, perchè qui niente ha un senso logico.
Aspettare, cosa lo sanno anche i muri.

Tu cosa trovi difficile?

(SilentHoney)

- finché tu rimarrai ancora qui con me;


Non ti ho sentito mentre te ne andavi e
mi meraviglio di come mai sono ancora qui.
Non voglio toccare nulla potrebbe tramutare in qualche modo il mio ricordo.
Io sono ciò che sono, farò quel che voglio ma non posso nascondermi.
[...]

Non voglio chiamare i miei amici. Loro potrebbero svegliarmi da questo sogno.
E non posso lasciare questo letto rischierei di dimenticare tutto ciò che è stato.

Non voglio andarmene. Non voglio dormire.
Non riuscirò a respirare finché tu rimarrai ancora qui con me.

Non voglio restare. Non riesco a nascondermi.
Non riuscirò ad esistere finché tu rimarrai ancora qui con me.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

- a independência;



A independência é alcançada entre quilos e quilos de compras transportadas sozinhas, viagens de ida e volta sozinha, finais de semanas passados em casa na cama com um só travesseiro, cozinhando o suficiente pra lavar um prato e um copo
. E com um rápido mas diário autoerotismo, eu diria.

- aqui;

aqui...
eu nunca disse que iria ser a pessoa certa pra você, mas sou eu quem te adora.
se fico um tempo sem te procurar é pra saudade nos aproximar e eu já não vejo a hora.
eu não consigo esconder, certo ou errado eu quero ter você.
você sabe que eu não sei jogar, não é meu dom representar.
não dá pra disfarçar, eu tento aparentar frieza mas não dá, é como uma represa pronta pra jorrar, querendo iluminar a estrada, a casa, o quarto onde você está.
não dá pra ocultar, algo preso quer sair do meu olhar, atravessar montanhas e te alcançar, tocar o seu olha, te fazer me enxergar e se enxergar em mim.

aqui...
agora que você parece não ligar, que já não pensa e já não quer pensar, dizendo que não sente nada. estou lembrando menos de você.
falta pouco pra me convencer que sou a pessoa errada.
(ana carolina - aqui)


domingo, 17 de julho de 2011

- posso chamar a minha paciência de "amor"?


pela parte que existe de você que me faz falta e que eu não posso ter,
pelas vezes que você me disse "não posso",
mas também pelas vezes em que você disse "voltarei".
sempre na espera, posso chamar a minha paciência de "amor"?

sexta-feira, 15 de julho de 2011

- daquele NOSSO jeito;



e chega mais pra cá, pra perto do meu peito e trás o seu olhar e o sorriso perfeito que hoje eu vou te amar daquele NOSSO jeito. e agora não dá mais, já não tem mais saída e nem como tirar você da minha vida. e o meu destino é ficar do seu lado.

- humberto e ronaldo - chega mais pra ca.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

- terei ido embora antes que você se dê conta;

terei ido embora antes que você se dê conta; levando comigo todas as palavras que eu nunca disse, todos o fantasmas que você escondeu embaixo da cama, todos os sorrisos e os olhares que a gente trocou quando eu pensava no amor e você deveria ter pensado um pouco mais em mim. em nós.

(pandateque)