terça-feira, 23 de outubro de 2012

- o melhor primeiro encontro com um beijo não dado;

01/06/11.
Uma quarta-feira quente na Itália, véspera de um feriado: festa da republica italiana.
Tìpica noite quente de junho e quatro amigos brasileiros resolvem sair à caça de uma baladinha.
Modena não é a cidade mais badalada e quarta-feira sem duvida é o pior dia para sair, afinal o Frozen que é a única boate decente não abre.
Depois de horas rodando a cidade decidem parar no Baluardo della Cittadella, uma boate de velho ou de crianças, depende do dia da semana. Já que todo azar é pouco, naquela quarta-feira era Festa Jazz, ou seja, de velho. Decepcionados os quatros amigos voltam pro carro e continuam rodando a cidade em busca de alguma diversão  e de repente na radio um anúncio de uma festa que mudaria completamente a vida de um desses quatro amigos: a minha.
"Festa pré-feriado no frozen!" 
O Frozen é uma boate muito estranha. E muito louca. Quando faz frio e neva tá lotada, quando faz calor tá lotada. A parte boa? Entrada grátis. Segunda e quinta tem Noite Latina, terça e sexta Noite Gay e sábado e domingo festas especiais.
Esta quarta-feira tinha tudo para ser um noitada especial. Tão especial que até o Frozen estava aberto!
A boate como sempre estava lotadíssima. Lotadíssima de gente feia. Não que eu procurasse alguém  mas ver gente bonita faz bem para os olhos.
Lá pela uma da manhã eu e um amigo resolvemos dançar em cima de um banco porque estava sufocantemente lotada a pista. E então meu amigo decidiu achar um "homem" para mim e me disse: olha aquele cara que está entrando, aquele é homem e é "bom", amiga pode confiar! Foi aí que vi entrar um homem lindo, mas tão lindo que eu nem escutava mais a musica, nem ouvia mais a agitação e nem via mais as pessoas em torno. ele era alto, olhos verdes, boca perfeita. Uhn, muito perfeito. Certeza que não é hetero. Continuei dançando e o perdi de vista.
Minutos depois vejo ele na minha frente e pior, falando com meus amigos. Ele vem e se apresenta, se chama Domenico. Pensei: Haha que tosco, menos mal que é italiano porque se fosse brasileiro se chamaria Domingos. Então ele todo tímido sugeriu que fossemos dar uma volta para conversar melhor, afinal a pista não era o melhor lugar.
Fomos para o jardim e eu hipnotizada naquela boca. E ele que falava, falava e falava. Contou que trabalhava  como Chef em um restaurante, que era do sul da Itália, que falava polonês e alemão e que queria aprender umas palavras em português. E eu pensando onde estava o defeito desse cara, porque não é normal, né...
Conversa vai, conversa vem, pergunto a sua idade. 22. Como? 22 anos? Talvez eu tenha entendido mal. Mas não, não entendi mal. Ele realmente tem somente 22 anos. Que decepção a vida...
Horas se passam e a gente continuam conversando. Mas como ele pode ser tão maduro e ter somente 22 anos? E ele me dá uma rosa de presente... Somente 22 anos e é assim romântico...
Como todo primeiro encontro a gente espera um beijo né? Mas este foi o primeiro encontro com um beijo não dado. Somente trocamos telefones e nos despedimos.
E antes de dormirmos naquela noite (já manhã) trocamos um "buonanotte" e sonhamos com o melhor beijo não dado.


A partir deste dia a cada encontro, ele me dava uma rosa e ao fim do primeiro mês se declarou com 30 rosas me pedindo em namoro e dizendo:  "eu te garanto que passaremos por dificuldades, te garanto que um dia um de nós, ou os dois vai querer pular fora, mas tenho certeza que se eu não te pedir pra ser minha para sempre eu vou me arrepender pelo resto da minha vida."


Hoje, um ano e quatro meses depois deste encontro, vejo quanta coisa aconteceu em tão pouco tempo.
Poucas semanas depois desse encontro a gente estaria morando juntos. Poucos meses depois eu estaria fazendo parte da família dele e ele da minha. Pouco depois de um ano eu seria pedida em casamento. E daqui alguns meses seremos marido e mulher. 

Nenhum comentário: