sábado, 8 de janeiro de 2011

- o amor aos 18 anos(ou um amor idealizado);


2005 foi um ano muito especial. sabe por que? depois de passar um tempo no "inferno", eu consegui sair dele. e isso me trouxe auto conhecimento. me descobri sendo uma pessoa forte, uma pessoa alegre e por vezes divertida. viajei, dancei, bebi. fiz coisas que eu nunca tinha feito antes.

assim, conheci alguém. e foi lindo. foi um sentimento puro.
foi alguém que eu confiei. alguém que confiou em mim.
cada dia nosso era feliz. de alguma forma, ele tinha vivido coisas parecidas com as minhas.
e nós crescemos juntos. amadurecemos juntos. viajamos juntos. nos amamos de uma forma bem gostosa. aprendemos a ter amigos, aprendemos a conquistar as coisas, aprendemos a driblar a distância, aprendemos a ignorar as fofocas, faziamos loucos passeios de moto, criamos uma rede social tão legal, nossas famílias sempre nos deram apoio. tínhamos planos sim. mas bem no fundo sabíamos que eles não se concretizariam. juro que algumas vezes eu desejei muito que se tornassem realidade. e sim, este amor valeu a pena.

no entanto, desde o inicio existia um ponto essencial que divergia entre nós. e nunca demos importância. hoje eu admito que esse amor, apesar de lindo, foi mais uma idealização de ambas as partes. eu esperava que ele mudasse, ele esperava que eu mudasse. mas a gente esqueceu que não temos o poder de mudar as pessoas. e fomos levando nossa vida... até o dia em que o ponto crítico realmente ficou crítico.

apesar de todas a similaridade entre nós, sempre tivemos planos diferentes. eu queria voar. ele queria ficar com os pés no chão. pra ele isso é idiotice, ilusão. pra mim é futuro, realidade.

sei que hoje ele me culpa pelo fim. mas sei também que no fundo ele sabe que não é só culpa minha. eu não poderia fazer ele feliz como ele queria. ele não poderia me fazer feliz como eu queria. eu jamais seria a mulher passiva que ele esperava.

apesar dos pesares, foi melhor assim. nós dois sabemos. desta forma, manteremos esse amor como uma lembrança bonita do passado. mesmo que algumas vezes tivemos momentos ruins, mas os bons prevaleceram. e eu só tenho a agradecer pela mulher que ele ajudou a me tornar. e do fundo do coração, quero ver ele feliz como eu estou.

Nenhum comentário: