terça-feira, 25 de maio de 2010

- e depois;

E depois, e depois... E depois será como morrer. Cair e nunca chegar ao fim.
E depois será... depois será como queimar no inferno que nos aprisiona.
E se te chamo amor, não rias, se te chamo amor.

E depois, e depois... E depois será como morrer.
Uma noite que não passa nunca.
E depois será... e depois será como enlouquecer em um vazio que abandona.
E se te chamo amor, não rias, se te chamo amor.

Amor que não voa, que te olha na cara e te abandona.
Amor que se pede. Te faz respirar e depois te mata.
E depois, e depois te esquece. Te deixa livre.
E depois, e depois...
Uma noite que não passa nunca.
Uma noite que não passa nunca.

E depois, e depois... E depois será como desaparecer num vazio que não te abandona nunca.
E depois, e depois será como morrer... Se desejar ir embora.
Se te chamo amor, não ria, se te chamo amor.

(Giorgia)

ELE - Procure estar bem.

ELA - Estarei, pela força que você me dá. - Mas pensa - sem suas
palavras, sua companhia, seu carinho, seus abraços, seus beijos, seu calor será meio difícil.

Saudades mil.

Nenhum comentário: