sexta-feira, 17 de agosto de 2012

- enquanto tudo passa;



fala depressa e nao pense se aquilo que você diz pode machucar.
por que eu deveria fingir ser frágil como você quer?
quer se esconder em silencio já concedidos.
mesmo porque depois você sabe que eu conseguirei sempre me convencer que tudo passa.

me use.
me torture.
rasgue a minha alma.
faça de mim o que quiser tanto não muda a ideia eu já tenho de você.

a covardia tem mil caretas.

e me diga quanto pesa a tua máscara de cera. 
mesmo porque você sabe que ela irá derreter como se fosse neve ao sol enquanto tudo passa.

me use.
me torture.
rasgue a minha alma.
faça de mim o que quiser tanto não muda a ideia eu já tenho de você.
a covardia tem mil caretas.

atire em mim, alvo errado.
tenta outra vez, è um campo minado.
aquilo que resta do nosso passado nao renegar, é tempo jogado fora.
manchas permanentes, cobri-las è crime.

atire a pedra quem não tem pecado.
atire você porque eu já errei tudo.
(negramaro)

Nenhum comentário: