quarta-feira, 16 de março de 2011

- meu segundo tempo;



até que um belo dia eu me dei conta que precisava decidir. até que um belo dia a carta de identidade não me revelava a verdade. não é o momento, não é o momento de brincar. aqui tá uma bagunça e eu tenho um monte de coisas pra fazer.

eu superei a metade da minha viagem e devo me apressar porque tem o meu segundo tempo e eu não quero perder ele. porque eu meio que me sinto no começo de um show. porque é o meu segundo tempo e eu quero aproveitá-lo. porque eu espero tanto que seja esplêndido.

até que um belo dia eu não havia percebido que era hora de escolher coisas e pessoas que me sugavam mesmo que fosse um grama de energia. jogar fora tudo aquilo que faz mal ou pelo menos jogar aquilo que não vale, que não vale nada ou não vale nem mesmo uma emoção.

e se não vale, eu devo me apressar porque é o meu segundo tempo e eu não quero perder ele. porque eu meio que me sinto no começo do show. porque é o meu segundo tempo e eu quero aproveitá-lo. porque eu espero tanto que seja esplêndido.

quantos armários pra esvaziar, quanta coisa pra jogar fora, coisas que me pareciam importante mas pelo contrário, não me servem em nada. quantas ocasiões perdidas pra se recuperar, quantas cartas pra ainda jogar.


- são palavras do meu querido max pezzali que adoçam meus ouvidos nesta Itália cinza e chuvosa.


Um comentário:

Marcy disse...

Você sabe o quanto é determinada, toda angustia e solidão vão passar e quando olhar para tras vai ver que tudo valeu a pena....
Te amo demais e já estou planejando meu retorno para ai, por isso descubra tudo por ai e terá seu carro, para passear mos. bjs